Premiê Palestino revela apoio europeu e prevê punições se Israel se anexar a Cisjordânea

Israel deve enfrentar consequências se anexar terras na Cisjordânia ocupada, declarou o primeiro-ministro palestino Mohammad Shtayyeh nesta terça-feira (9), apontando possíveis sanções europeias.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu prometeu estender a soberania aos assentamentos judeus e ao vale do Jordão, na Cisjordânia, território que Israel conquistou na guerra do Oriente Médio em 1967 e que os palestinos buscam para um futuro Estado.

O novo governo de Netanyahu deve começar a discutir a anexação de fato em 1º de julho, mas não está claro se o principal aliado de Israel, os Estados Unidos, deve dar o sinal verde.

Os palestinos rejeitaram o plano de paz do presidente dos EUA, Donald Trump, anunciado em janeiro, sob o qual a maioria dos assentamentos que Israel construiu seria incorporada ao “território israelense contíguo”.

Em uma entrevista coletiva, Shtayyeh afirmou que a anexação acabaria com qualquer possibilidade de paz com Israel e corroeria “o consenso palestino, regional e internacional” em uma solução de dois Estados. Ele disse que Israel agora deve “sentir o calor da pressão internacional”.

Shtayyeh destacou que os Estados europeus estão debatendo “sanções a Israel e congelando acordos de associação, bem como cancelando alguns programas de pesquisa” e “reconhecendo a Palestina” como um Estado na Cisjordânia e Gaza.

 Palestinos discutem com tropas israelenses durante protesto que marca o 72º aniversário de Nakba e contra o plano israelense de anexar partes da Cisjordânia ocupada. Povoado de Sawiya, perto de Nablus, em 15 de maio de 2020

© REUTERS / MOHAMAD TOROKMANPalestinos discutem com tropas israelenses durante protesto que marca o 72º aniversário de Nakba e contra o plano israelense de anexar partes da Cisjordânia ocupada. Povoado de Sawiya, perto de Nablus, em 15 de maio de 2020

Contestação inevitável

A maioria dos países vê os assentamentos de Israel em terras ocupadas como ilegais. Israel contesta isso. Os palestinos agora exercem um autogoverno limitado em partes da Cisjordânia, enquanto o grupo islâmico palestino Hamas domina a pequena Gaza.

Mas Shtayyeh explicou que a tomada de decisões por consenso da União Europeia (UE), de 27 países, é “um pouco complicada”, e um ou dois países não estão alinhados com os outros sobre o assunto.

Um porta-voz da UE em Jerusalém se recusou a comentar os comentários de Shtayyeh, mas apontou para uma declaração anterior do chefe de Política Externa da UE, Josep Borrell, que afirmava que a anexação “se implementada não poderia passar sem contestação”.

Shtayyeh disse que os palestinos apresentaram uma contraproposta de quatro páginas e meia ao plano de Trump ao mediador do Quarteto do Oriente Médio – Estados Unidos, Rússia, União Europeia e Nações Unidas.

A proposta incluía um Estado palestino desmilitarizado com “pequenas modificações nas fronteiras sempre que necessário” e trocas de terras iguais “em tamanho, volume e valor – um a um”, acrescentou Shtayyeh.

Os palestinos declararam nulos os acordos com Israel em protesto contra a anexação. Shtayyeh afirmou que a rejeição de seu governo aos impostos cobrados por Israel em seu nome significa que os salários não serão pagos a cerca de 130 mil funcionários públicos.

Fonte:sputnikBrasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *