Futuro indicado ao STF terá de ser evangélico e ‘tomar tubaína comigo’, diz Bolsonaro

Nesta quinta, presidente anunciou indicação de Kassio Marques para a vaga de Celso de Mello, que antecipou aposentadoria. No ano que vem, indicará o substituto de Marco Aurélio Mello.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (1º), durante transmissão ao vivo por uma rede social, que o futuro indicado para o Supremo Tribunal Federal precisará ter dois atributos: ser evangélico e “tomar tubaína comigo”.

Durante a transmissão, Bolsonaro anunciou a indicação de Kassio Nunes Marques, católico e desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), para a vaga do ministro Celso de Mello, que antecipou a aposentadoria. No ano que vem, terá de indicar outro, para o lugar de Marco Aurélio Mello, que terá de se aposentar compulsoriamente porque completará 75 anos.

Futuro indicado ao STF terá de ser evangélico e tomar tubaína comigo, diz Bolsonaro from Joia do Cristão on Vimeo.

Bolsonaro declarou, na transmissão, que a amizade é critério “importante” para fazer a indicação dos ministros. Além de evangélico, o candidato a assumir a vaga de Marco Aurélio Mello terá de “tomar tubaína” com o presidente.

“A questão de amizade é uma coisa importante, não é? O convívio da gente. Eu vou indicar o ano que vem. Primeiro pré-requisito: tem que ser evangélico, ‘terrivelmente evangélico’. Segundo pré-requisito: tem que tomar tubaína comigo, pô”, disse Bolsonaro.

Segundo ele, não basta que o currículo do candidato seja “maravilhoso”. Bolsonaro diz que só indicará se conhecer.

“Não adianta chegar um currículo agora aqui, maravilhoso, dez. Dez, o currículo, indicado por autoridades, dez. Mas se eu não conhecer, não vou indicar. O meu compromisso é com um evangélico”, afirmou.

De acordo com o presidente, o indicado também precisará “conhecer gente” no Supremo e no Congresso.

“Quando no passado falavam que tinha que ter um negro, tinha que ter uma mulher, ninguém falava nada. Quando eu falo que tem que ter um evangélico… Mas não é só porque é evangélico, tem que ter conhecimento de causa também. Tem que transitar em Brasília, conhecer gente do Supremo, conhecer o parlamento.”

Bolsonaro afirmou ainda que a intenção ao indicar um ministro evangélico será defender interesses conservadores e “ganhar alguma coisa lá também”, em referência aos temas que são levados ao STF.

“Eu quero botar uma pessoa lá, não é para votar certas coisas e perder por 10 a 1, tudo. ‘Ah, eu votei contra’. Não. Eu quero que essa pessoa vote com suas convicções, de acordo com o interesse dos conservadores, mas que busque maneira de ganhar alguma coisa lá também”, disse.

Biden

Durante a transmissão ao vivo, Bolsonaro também falou sobre a referência ao Brasil feita pelo candidato do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, durante debate com o adversário republicano, o atual presidente Donald Trump, que busca a reeleição.

Biden disse que a Amazônia está “sendo destruída” e sugeriu que, se eleito, reunirá US$ 20 bilhões para oferecer ao Brasil, a fim de que o país pare de “derrubar a floresta”, sob pena de sofrer “consequências econômicas significativas”.

“A gente lamenta o debate dos Estados Unidos. O Biden falou que ia conseguir US$ 20 bilhões para dar para a gente acabar com incêndio na Amazônia e iria impor sanções a nós […] Nós já restabelecemos a diplomacia com Trump. O Biden, não sei se para ganhar voto, está querendo, parece, romper o relacionamento com o Brasil por causa da Amazônia”, disse.

De acordo com Bolsonaro, é preciso dissuadir os países que, segundo ele, têm interesse na Amazônia, por meio de militares preparados.

“Sabemos que alguns países têm interesse na Amazônia, nós temos que dissuadí-los disso. Como fazer? Ter as Forças Armadas preparadas. Elas foram sucateadas nos últimos 20 anos. Parece que a intenção era humilhar militares”, declarou.

Joia do Cristão Com Informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *