Crivella: mais um na lista de políticos fluminenses enredados em corrupção

Faltando poucos dias para terminar o mandato, o prefeito teve a prisão preventiva decretada

Pobre Rio de Janeiro, onde os chefes de cargos executivos vão caindo um após o outro, em uma espécie de efeito dominó acionado pela corrupção. Cinco governadores foram presos por esse motivo nos últimos quatro anos — Luiz Fernando Pezão, Anthony Garotinho, Rosinha Garotinho, Moreira Franco e Sérgio Cabral (este, condenado a mais de 300 anos). Agora, o estado termina 2020 com governador e prefeito afastados de seus cargos por suspeita de cometerem o mesmo velho pecado da propina. Wilson Witzel (PSC), que assumiu o Palácio Guanabara em 2019, foi obrigado a passar o cargo para o vice em agosto e aguarda o resultado de investigações. Na terça-feira 22, faltando apenas nove dias para terminar seu mandato, foi a vez de o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) ser pego — ele não só foi removido da prefeitura, como teve a prisão preventiva decretada, com outras oito pessoas. Por decisão da Justiça, cumprirá ordem em casa, com tornozeleira.

Ler mais

Universal ‘faz jogo estratégico nojento’, diz Malafaia sobre apoio a Kassio Nunes para o STF

Para pastor, igreja de Edir Macedo endossa indicado de Bolsonaro em troca do respaldo do presidente a Crivella e Russomanno

A Igreja Universal faz “um jogo estratégico nojento” ao endossar a indicação do juiz federal Kassio Nunes para o STF (Supremo Tribunal Federal), diz o pastor Silas Malafaia.

Para ele, aliado de primeira hora de Jair Bolsonaro, o indicado “tem amizade com a turma do PT” e “posição muito dúbia” sobre aborto. “Precisa de mais alguma coisa?”

A Universal, segundo Malafaia, devolve um favor pela chancela presidencial a dois candidatos a prefeito: no Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, sobrinho do bispo Edir Macedo, e, em São Paulo, o deputado federal Celso Russomanno. Ambos são do Republicanos, partido ligado à igreja.

Na bancada evangélica, circula a versão de que Malafaia já esteve mais em alta com Bolsonaro. Ele associa a ideia a uma “dor de cotovelo” e diz que o presidente, que lhe dá acesso liberado, costuma brincar: “Quando Malafaia bota dois áudios seguidos no meu zap, eu nem escuto, sei que é bronca”.

Ler mais

TRE-RJ retoma nesta quinta julgamento de inelegibilidade do prefeito Marcelo Crivella

Na votação anterior, a maioria dos desembargadores votou pela suspensão dos direitos políticos do prefeito do Rio. A assessoria de Crivella afirma que vai seguir todos os trâmites e, em caso de resultado negativo, vai entrar com um recurso dentro do prazo.

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro reinicia nesta quinta-feira (24) o julgamento que pode deixar o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) inelegível até 2026. A sessão está programada para as 15h.

Na votação anterior, na segunda (21), a maioria dos desembargadores votou pela inelegibilidade do prefeito do Rio.

Ler mais

MP diz ter encontrado indícios de que a Igreja Universal foi usada para lavar dinheiro da corrupção na Prefeitura do Rio

Promotores analisam trocas de mensagem encontradas em celular de Rafael Alves, suposto operador do prefeito do Rio, Marcelo Crivella. Relatório de Inteligência anexado à investigação cita que, entre maio de 2018 e abril de 2019, a igreja movimentou de forma “atípica” R$ 5,9 bilhões.

O Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro (MP-RJ) diz ter encontrado indícios de “bilionárias movimentações atípicas” da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) e afirmou ser “verossímil concluir” que a entidade religiosa está sendo “utilizada como instrumento para lavagem de dinheiro fruto da endêmica corrupção instalada na alta cúpula da administração municipal” do Rio. O prefeito Marcelo Crivella é bispo licenciado da Iurd.

Ler mais