Igreja de R. R. Soares se livra de cobrança de R$ 37 milhões da União

Entre as instituições religiosas que constam como devedoras ativas da União na lista da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Igreja Internacional da Graça de Deus aparece como a terceira maior inadimplente.

Fundada em 1980, é comandada pelo Missionário R. R. Soares, pai do deputado federal David Soares (DEM-SP), autor da emenda que dá perdão tributário a esse tipo de instituição – e que foi parcialmente vetada por Bolsonaro.

Toda a dívida do CNPJ da Igreja com a União, de R$ 37,8 milhões, está vinculada a contribuições previdenciárias, que deixarão definitivamente de ser cobradas de entidades religiosas a partir desta segunda-feira (14), com a sanção da nova lei.

Ler mais

Podcast explica os benefícios tributários das igrejas no Brasil; ouça

Sob pressão, Bolsonaro veta dispositivo que perdoava dívida bilionária de igrejas com a União

Foi sob pressão que chegou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) um projeto de lei que continha o perdão de uma dívida bilionária de igrejas com a União.

De um lado, o time do ministro Paulo Guedes (Economia) defendendo o veto ao texto. Do outro, os grupos evangélicos, importantes aliados do presidente.

Bolsonaro acabou atendendo à recomendação de Guedes e vetou o dispositivo que concedia a anistia. O veto, que pode ser derrubado pelo Congresso, foi assinado na sexta-feira (11), data-limite para sanção da proposta.

Ler mais

Bolsonaro veta parte de perdão às igrejas, mas estimula derrubada do próprio veto

A anistia de débitos enfrentava forte resistência da equipe econômica e também foi desaconselhada por risco de crime de responsabilidade; nota, porém, presidente diz que, se fosse deputado ou senador, votaria para derrubar o veto

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro oficializou na noite deste domingo, 13, o veto a uma parte do perdão a dívidas de igrejas que havia sido aprovado pelo Congresso Nacional.  Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República afirmou que Bolsonaro se mostra favorável à não tributação de templos e que, apesar dos vetos, o governo vai propor “instrumentos normativos a fim de atender a justa demanda das entidades religiosas”, sem citar quais.

Ler mais