ESTUDOS BÍBLICOS – Joia do Cristão Baiano

A parábola do rei e suas quatro esposas

Aquele rei tinha 4 esposas e se sentia o dono do mundo. Com cada uma das esposas ele tinha uma relação diferente.

A quarta esposa, era a que ele mais amava, comprava as mais belas roupas, joias, sapatos e tudo mais, gostava de paparica-la.

A terceira, era a mais bela, ele gostava de exibi-la, mas tinha muito medo de a perder.

A segunda, era a confidente nos momentos difíceis, sempre dava um bom conselho.

A primeira, ele ignorava, apesar de sua lealdade, mal se lembrava dela, e por isso, ela era muito magra e fraca.

Ler mais

O Valor da Terra

Eliseu curou Naamã de lepra e por isso este ofereceu um presente ao profeta como agradecimento pela cura. Eliseu, porém, recusou qualquer pagamento. Antes de partir para sua terra natal, Naamã fez o que parece ser um pedido peculiar: ele queria “duas mulas carregadas de terra” (2Reis 5.17).

A lepra era uma doença incurável, e muitos acreditavam que ela era uma maldição divina imposta sobre uma pessoa pelos pecados que cometera. Aqueles que a contraíam eram desprezados e odiados, além de serem excluídos de qualquer comunhão com seu próprio povo (cf. Números 5.2). O medo e o estigma despertados pela lepra podem se comparar à Aids nos dias modernos. Entre as muitas contaminações especificadas na lei mosaica, apenas um corpo morto era considerado mais sério do que a lepra. O desejo de Naamã de agradecer a Eliseu por tê-lo curado é facilmente compreensível, mas não se pode dizer o mesmo de seu pedido por terra. A verdade é que a petição de Naamã era inteiramente razoável, e esse artigo explicará por quê.

Ler mais

Haverá uma paz mundial?

“Quando disserem: Paz e segurança, então, de repente, a destruição virá sobre eles, como dores à mulher grávida; e de modo nenhum escaparão.” (1 Tessalonicenses 5.3)

Tessalônica era uma cidade portuária muito movimentada, um centro importante para as comunicações e o comércio, com uma população aproximada de 200 mil pessoas.

Tudo indica que a igreja era composta por uma maioria de gentios e, provavelmente, poucos judeus. A intenção de Paulo ao escrever duas cartas aos tessalonicenses era para encorajar os novos convertidos nas provações e instruí-los na Palavra.

Ler mais

O Azeite da Santa Unção (Êx 30.22-33; 40.9-16)

O azeite da unção: (grego: kàbôt: “transmissão de autoridade, dádiva, força, honra, equipar para o serviço, santidade ou separação para Deus”). O próprio Deus deu a fórmula exata para a composição deste óleo sagrado e único. Os ingredientes na sua composição foram: (1) seis quilos de pura mirra (goma arábica); (2) três quilos de canela aromática; (3) três quilos de cálamo (cana) aromática; (4) seis quilos de cássia, e (5) seis litros de azeite puro de oliveira.

Ler mais

O Terceiro Templo em Jerusalém

“Seja do Teu agrado, Eterno nosso Deus e Deus de nossos pais, que edifiques o Santuário [templo], brevemente em nossos dias, e nos faças participar da tua Lei. E lá servir-Te-emos com temor, como nos dias antigos e como nos anos passados.” (Sidur, livro de orações judaicas, p. 40.)

O povo judeu aguarda ansiosamente a construção do terceiro templo. O desejo e apoio a construção do santuário judaico no monte do templo tem aumentado entre os israelenses, sobretudo, entre os judeus ortodoxos.

Mas não é só entre os judeus que o apoio tem crescido, temos visto nos últimos anos um apoio massivo entre cristãos do mundo todo, de uma forma mais efetiva entre os evangélicos americanos. Com grandes somas em dinheiro para a confecção de todos os artefatos para o novo templo, como descritos rigorosamente no livro do Êxodo capítulos 25 a 40.

Em sua página oficial, o Instituto do Templo declara que: “desde sua criação em 2004 [site], tem se preocupado em trazer o assunto do Templo de volta à vanguarda do pensamento judaico, e promover a prática diária desse assunto”, não somente isso mas através de seu museu em Jerusalém todo equipado com belas pinturas ilustrativas que procuram retratar a época do templo.

Ler mais

Jesus aboliu o dízimo?

Para entendermos o dízimo, temos que voltar ao início. Há uma regra na formulação de conceitos doutrinários que se chama “a lei da primeira referência”. Essa lei simplesmente afirma que, para compreender uma doutrina, uma palavra ou um conceito bíblico, temos que prestar atenção especial à primeira vez que ela aparece nas Escrituras. No tocante ao assunto de ofertas, temos que entender que a primeira referência bíblica sobre o tema se acha na primeira referência bíblica do culto a Deus. Os dois conceitos estão ligados. Abel e Caim cultuaram a Deus trazendo-lhe ofertas. No caso de Caim, a oferta foi da sobra da sua colheita. No caso de Abel, a oferta representou as primícias. Primícias são a primeira e melhor parte da nossa renda, do nosso lucro, por assim dizer. Culto a Deus envolve, portanto, uma entrega de algo que materialmente nos pertence. É um gesto de gratidão, de reconhecimento do fato de que tudo provém de Deus e, em última análise, pertence a Deus.

Ler mais

A manutenção da obra, dízimos e ofertas.

Deus estabeleceu três instituições no mundo: (1) a família (Gn 9:1-7; Ef 5:18-6:4), o governo (Gn 9:1-17; Rm13:1-7) e a igreja (M 16:16-19; At 2). É muito bom que o cristão entenda a importância de cada uma delas no plano soberano de Deus e que também saiba que papel deve desempenhar em cada uma delas. Neste estudo resumido destaco a doutrina que está diretamente ligada à igreja. Meu desejo, querido leitor, é levá-lo a refletir sobre este ponto de fé que trata de um dever de todo cristão: a manutenção da obra através dos dízimos e das ofertas.

Manutenção da obra de Deus: Os dízimos e as ofertas.

Creio que existem duas práticas bíblicas que foram estabelecidas por Deus como meio de manutenção de sua obra aqui na terra: os dízimos e as ofertas. Tanto a Bíblia quanto a história testemunham que a igreja de Cristo sempre foi amparada financeiramente pelas contribuições de seus membros. São esses subsídios que têm permitido que ela cumpra sua missão no mundo. Entretanto, dízimos e ofertas não são compromissos que temos com a igreja, mas, sim, com o Senhor da igreja. Portanto, é fundamental conhecermos os ensinos e princípios bíblicos que regem as contribuições do cristão.

Ler mais

Fariseu sem Demagogia

“Fariseu sem Demagogia” Mateus15: 7-8-9

O nosso maior desafio é matarmos todos os dias esse fariseu que nos faz sentir, e até mesmo achar que somos melhores do que os outros!
Lucas 6-45 Jesus Afirma: O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração.

Os fariseus seguiam não somente a lei escrita de Deus, mas Também suas tradições orais, e acreditavam que ambas eram a vontade de Deus. Jesus não seguiu as tradições deles; e eles o atacaram-no “Mateus 15:1-14”
Jesus guardou todas as leis de Deus, mas sempre ignorou as regras do homem. Fariseus guardavam tradições, entretanto não faziam a vontade de Deus.
.
Jesus condenou os fariseus pelo interesse deles em impressionar os outros, aperfeiçoando-se de diversas técnicas de chamar atenção, como usar roupas especiais para fazê-los parecer mais religiosos, orar e jejuar de modos muito visíveis, disputar pelas posições mais elevadas tanto na sinagoga como no mercado. Eles insistiam em que os outros lhes dessem títulos especiais de respeito, porque queriam ser notados e admirados.
.
 A religião dos nossos dias tem sido reduzida a uma questão de espectadores aplaudindo os atos deslumbrantes daqueles que estão no palco nos holofotes têm sido apontado para o eloqüente, cheio de si, de maneira que poderia causar inveja até a um fariseu.
Eai Estamos procurando impressionar os homens ou servir a Deus humildemente?
.
Os fariseus eram falsos doutores pretendendo ser algo que não eram. .
Eles limpavam o exterior (a parte que as pessoas podiam ver), mas negligenciavam a justiça interior. Eles invertiam o que era racional. Uma vez que o pecado começa no coração, a operação de limpeza tem que começar de lá tbm, é de dentro pra fora!
O farisaismo hipócrita religioso de nossos dias cumprem seus deveres religiosos externos perfeitamente. Noentanto permitem que pecados como orgulho, inveja e ódio, soberba, hipocrisia, floresçam por dentro.

Ler mais

Pandemia e Esfriamento Espiritual

Daniel Lima

Hoje estamos completando 110 dias de quarentena em nossa casa. O que começou com algumas adaptações temporárias se tornou o “novo normal”. Saídas reduzidas, aniversários cancelados, reuniões sem o gostoso abraço… De modo especial, fico curioso com os cultos virtuais, reuniões de grupo via telinha, discipulados por aplicativos etc. No entanto, o que realmente importa é como fica nossa caminhada com Deus. De que modo temos vivido e cultivado nossa espiritualidade?

Alguns pastores – de várias denominações – entraram em pânico, como se o culto presencial fosse a essência do que cremos ser a igreja. Parecia que sem culto os crentes iriam se desviar, a igreja iria morrer. No entanto, muitas igrejas mais saudáveis procuraram soluções mais sérias e enraizadas em suas convicções. Compreendendo que somos igreja com ou sem cultos, procuraram maneiras de manter seu povo conectado e de alimentar o rebanho de forma virtual. Algumas igrejas que acompanho de perto começaram a “todo vapor”, fazendo cultos e “lives” diárias. O ritmo era intenso e parecia que um dia fora do ar e a igreja estava perdida. A maioria destas igrejas já encontrou um ritmo mais sustentável, uma dieta de alimentação espiritual que seja sustentável.

Ler mais

A Estratégia Mundial de Satanás

Renald E. Showers

Deus entregou à humanidade o domínio sobre a terra e estabeleceu a teocracia como a forma de governo original deste mundo (Gn 1.26-29). Numa teocracia, o governo divino é administrado por um representante. Deus designou o primeiro homem, Adão, para ser Seu representante. Adão recebeu a responsabilidade de administrar o governo de Deus sobre a parte terrena do Reino universal de Deus.

Pouco tempo depois de ter dado esse poder ao homem, Satanás induziu Adão e Eva a se aliarem a ele em sua revolta contra Deus (Gn 3.1-13). Como resultado, a humanidade afastou-se de Deus e a teocracia desapareceu da face da terra. Além disso, com a queda de Adão, Satanás usurpou de Deus o governo do sistema mundial. A partir de então, ele e suas forças malignas passaram a governar o mundo. Conforme veremos a seguir, muitos fatores revelam essa terrível transição.

Ler mais